Instagram Facebook Twitter YouTube Flickr Spotify
22/06/2022

BA: Compromissos com a cidadania, memória de Raul Palmeira e ingresso de primeira indígena marcam posse de novas defensoras(es) da Bahia

Fonte: ASCOM/DPEBA
Estado: BA
As esperanças por ampliação do acesso à justiça e à cidadania ganharam reforço na Bahia. No fim da tarde desta segunda, 20, a Defensoria Pública do Estado (DPE/BA) empossou 20 novas defensoras e defensores públicos aprovados no oitavo concurso da carreira. 
 
Realizada no auditório Luiz Gama do Tribunal Regional Eleitoral em Salvador, a solenidade foi transmitida pelas redes sociais da DPE/BA. Por razões sanitárias, relacionadas ao controle da transmissão da covid-19, a celebração contou com presença limitada de convidados.
 
A cerimônia se destacou por efetivar o ingresso da primeira defensora de origem indígena na Defensoria Pública da Bahia e foi marcada por discursos que relembraram o legado do defensor público Raul Palmeira, recentemente falecido, além dos desafios no combate às injustiças e desigualdades que impactam na garantia de direitos para as populações e grupos socialmente vulneráveis.
 
Em seu discurso durante o evento, o defensor público geral, Rafson Ximenes, enfatizou que a Instituição é identificada por compromissos éticos que se configuram em fontes de expectativa e confiança das pessoas mais carentes e em situações de violações. Por outro lado, Ximenes alertou também contra o sentimento de presunção e orgulho que podem aflorar neste contexto.
 
“Não podemos nos tomar como especiais e para exercer nossa função temos que enfrentar diariamente uma herança negativa que muitas vezes não percebemos. Perpassa nossa formação o machismo, o racismo, a homofobia, o preconceito de classe. É necessária ainda uma vigilância constante para não cair na tendência arrogante que caracteriza o Direito. Mas, se não somos melhores que ninguém, é verdade também que escolhemos um caminho que dá todas as ferramentas para sermos melhores cidadãos. Defender exige compreensão e solidariedade com o outro”, pontuou.
 
A ouvidora-geral da DPE/BA, Sirlene Assis, assinalou a necessidade de engajamento e disposição para aprender e fazer a diferença na realidade. “A Defensoria precisa de mais defensoras(es), precisa também de um concurso para servidoras(es) de carreira. O nosso estado tem 417 municípios e não estamos na maioria das comarcas, precisamos chegar em todas. É o trabalho de todos que se constitui no instrumento para alcançar esta cobertura”, disse.
 
Ressaltando a indispensabilidade da Instituição no âmbito do sistema de justiça do país, o presidente da Associação de Defensoras e Defensores Públicos da Bahia, Igor Santos, apontou também para as novas adversidades à frente. “Em um país profundamente atingido por uma crise social, fiscal e econômica, que se intensificou por conta da pandemia, o Brasil nunca precisou tanto de nós defensores(as)”, afirmou.
 
Novas(os) empossadas(os)
 
Representando as defensoras(es) que adentram na carreira pela ampla concorrência, a empossada e nova defensora Gabriela Andrade defendeu que o compromisso dos que ingressam é por buscar melhorias por meio de estratégias coletivas de emancipação. “O futuro não demora e a vontade de consertar absurdos está viva. Que não percamos a inquietação que nos move entre as burocracias e as frustrações deste futuro, porque enquanto a terra não for livre, nós também não seremos”, declarou.
 
Já a representante das empossadas(os) pelas cotas destinadas a negros (pretos e pardos), Janaína dos Santos Araújo, destacou a necessidade de fortalecer os serviços públicos como meio de avançar para uma sociedade com equilíbrio e do diálogo para fortalecimento da democracia. 
 
“O serviço público de qualidade tem papel fundamental nos desafios que a nossa geração enfrenta e deverá ainda enfrentar rumo à emancipação. Nós só podemos falar que existe algo como Justiça quando a construção das decisões refletir a participação efetiva de todos os grupos, não há legitimidade democrática se não submetermos ao debate plural as nossas ideias. Abrindo mão de falar no lugar do outro e aprendendo a ouvir plenamente”, disse. 
 
Saudando suas raízes e assinalando sua origem econômica e familiar que a enquadrariam como assistida da Defensoria, Aléssia Bertuleza Tuxá, discursou como primeira indígena a tornar-se defensora pública do Estado da Bahia. Ela destacou os esforços “contramajoritários” da DPE/BA que levaram a inclusão da reserva de vagas para população indígena após mudança na lei orgânica da carreira. 
 
“Àqueles que hoje levantam suas vozes para alegar sobre a demora na adoção de tal medida, deve-se oferecer como reposta o silêncio gritante da omissão que se estende nas demais instituições do sistema de justiça que segue perpetuando o racismo estrutural que marca a sociedade brasileira”, disse.
 
Manifestando honra por passar a ocupar o cargo, Aléssia Tuxá destacou que sua possibilidade de fala na solenidade permitia ecoar uma voz constantemente silenciada. “Uma voz que grita, há séculos, dores intencionalmente inviabilizadas. A voz dos povos indígenas do Brasil. Uma indígena adentrar as portas da Defensoria Pública como membro, não por ser mais uma vítima das violações de direitos, é algo que alimenta a chama da esperança. Que a honra de fazer uso deste microfone [na solenidade], possa ser ampliada para mais indígenas, porque sou a primeira, mas logo não serei a única”, concluiu.
 
Além de familiares e amigos dos novos empossados, também estiveram presentes à cerimônia de posse defensores da coordenação e assessoria da administração superior, a subdefensora-geral, Firmiane Venâncio; a corregedora geral da DPE/BA, Liliane Cavalcante; a 2a vice-presidenta do TJ/BA, Márcia Borges, representando o presidente do Tribunal, desembargador Nilton Castelo Branco; a vice-presidente da OAB-BA, Christianne Gurgel, representando a presidente da seccional baiana, Daniela Borges; e a procuradora do Estado Maria Angélica dos Santos Rodrigues, representando o governo do Estado da Bahia.
Compartilhar no Facebook Tweet Enviar por e-mail Imprimir
AGENDA
06 de julho
AGE
03 de agosto
AGE
31 de agosto
Reunião de Diretoria
01 de setembro
AGE
05 de outubro
AGE
08 de novembro, Goiás (CONADEP)
AGE
08 A 11 de novembro, em Goiânia (GO)
XV Congresso Nacional das Defensoras e Defensores Públicos
14 de dezembro
AGO de eleição
13 de dezembro
Reunião de Diretoria
 
 
 
COMISSÕES
TEMÁTICAS
NOTAS
TÉCNICAS
Acompanhe o nosso trabalho legislativo
NOTAS
PÚBLICAS
ANADEP
EXPRESS
HISTÓRIAS DE
DEFENSOR (A)