Instagram Facebook Twitter YouTube Flickr
12/06/2019

ES: Família procura DPE para tratamento de homem com dependência química

Fonte: ASCOM/DPE-ES
Estado: ES
Uma família de Guarapari procurou a Defensoria Pública do Estado do Espírito Santo para tratamento, sob o regime de internação compulsória, de um homem de 33 anos com dependência química e esquizofrenia. O rapaz já havia sido internado no ano de 2018, permanecendo sob tratamento até fevereiro deste ano, quando teve alta. No entanto, a família afirma que o homem não está bem e apresenta comportamento violento e instável.
 
O pedido de internação compulsória foi protocolado na 2ª Vara de Família, Órfãos e Sucessões de Guarapari, no último dia 06, e deferido na mesma data pelo juiz da comarca. A mãe do rapaz compareceu à unidade de atendimento da Defensoria Pública de Guarapari, relatando que a neta foi agredida fisicamente pelo mesmo com um pedaço de vidro. Segundo a mulher, os cortes foram tão profundos que a menina quase teve a orelha decepada. O fato causou mais angústia à família que pediu urgência no processo de internação.
 
Sobre a internação compulsória
 
No último dia 06 de junho, foi sancionada a Lei 13.840/2019 que modifica a Lei nº 11.343/2006 (Lei de Drogas), possibilitando a internação involuntária sem a necessidade de provimento judicial. Entretanto, a nova legislação deve ser analisada com cautela, tendo em vista os princípios da Política de Redução de Danos e dos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD).
 
Qualquer tipo de internação, seja ela voluntária, involuntária ou compulsória, deve ser o último recurso a ser considerado, quando todas as formas de tratamento não surtirem efeito. Para a internação compulsória, utilizada no caso do morador de Guarapari, é necessária a participação da justiça, tanto para obrigar o paciente a tratar-se, quanto para que o Estado arque com esses custos.
 
A Defensoria Pública recomenda que a família busque os Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) e seja tentado o atendimento ambulatorial.  É um requisito da própria lei que os meios extra hospitalares sejam esgotados.
 
O procedimento para a internação compulsória se inicia com a obtenção de laudo médico circunstanciado, atestando que a internação compulsória é a única medida viável para o restabelecimento da saúde do paciente, o médico deve ter a especialidade em psiquiatria.
 
A família, depois de obter o laudo e não tiver condições de arcar com o pagamento da internação na rede privada, deve comparecer a uma das unidades da Defensoria Pública com a seguinte documentação básica:
 
– Cópia da Carteira de Identidade e CPF (do requerente e requerido);
 
– Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR);
 
– Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone);
 
– Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento do requerente;
 
– Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento da pessoa a ser internada;
 
– Laudo médico atualizado circunstanciado informando a doença e o CID-10, descrição do quadro de saúde e comorbidades (doenças associadas), risco a saúde própria ou a terceiros, indicação da modalidade de internação, tratamentos já utilizados e indicação e identificação do médico com número do CRM-ES.
 
Compartilhar no Facebook Tweet Enviar por e-mail Imprimir
AGENDA
27, 28 e 29 de agosto
Atividades legislativas
28 e 29 de agosto
CONIP 2019
4 de setembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
2 de outubro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
12 de novembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
11 de dezembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
1º de outubro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
10 de dezembro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
12 a 15 de novembro - Rio de Janeiro
XIV Congresso Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (CONADEP)
XIV CONADEP
ANADEP INOVA
Escola Nacional das Defensoras e Defensores Públicos do Brasil
Novas 100 regras de Brasília
COMISSÕES
TEMÁTICAS
NOTAS
TÉCNICAS
Acompanhe o nosso trabalho legislativo
NOTAS
PÚBLICAS
ANADEP
EXPRESS
HISTÓRIAS DE
DEFENSOR (A)