ÁREA RESTRITA

Busca Avançada
Notícias

13/06/2018 - 13:52

MT: Cearense ganha liberdade após cumprir dois anos e quatro meses além do tempo total de sua pena

Fonte: ASCOM/DPE-MT
Estado: MT

O cearense C. T. T. A., 29 anos, condenado a seis anos e oito meses de prisão em regime fechado, por furto qualificado e receptação, viveu, até poucos dias, um caso clássico de injustiça no sistema prisional brasileiro: foi esquecido e privado ilegalmente de sua liberdade por dois anos e quatros meses além do tempo total de sua pena. O martírio dele só chegou ao fim nove anos e 26 dias da sua prisão, após a intervenção da defensora pública que atua em Jaciara, Jacqueline Rodrigues.
 
A defensora é um dos 90 profissionais da força-tarefa “Defensoria Sem Fronteiras”, programa que acontece em Fortaleza (CE) de 4 de junho até sexta-feira (15/6), período em que das 8h às 20h, defensores públicos de todo o país avaliam a situação processual de 11 mil presos, de sete unidades prisionais daquele estado. O objetivo é identificar e cessar irregularidades e ilegalidades como as cometidas com C.
 
Jacqueline avalia que o caso de C. configura um caso grave e absurdo de ilegalidade encontrado no Sistema de Justiça brasileiro. “Caso o acompanhamento processual desse cidadão fosse feito, de forma adequada e dentro da lei, ele poderia ter saído para o regime aberto depois de ter cumprido dois anos e dois meses de prisão no fechado. Ele cometeu crime contra o patrimônio, sem violência ou grave ameaça contra pessoas”, disse.
 
O caso famoso do goleiro Bruno Fernandes, condenado em 2010 pela morte de Eliza Samudio, serve para ilustrar a desproporção e gravidade da situação vivida por C.. Após cumprir sete anos de prisão, em regime fechado, Bruno conseguiu a liberdade, em fevereiro de 2017, garantida por uma liminar num habeas corpus, concedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello. Em abril do ano passado ele voltou para a prisão, mas a defesa recorreu da revogação da liminar.
 
Atuação - Para solucionar o caso do cearense, a defensora explica que fez uma petição apontando a ilegalidade e pedindo a extinção da pena, diante do cumprimento dela além do tempo necessário, e solicitando que o juiz da 3ª Vara de Execuções Penais da Comarca de Fortaleza expedisse o alvará de soltura. No caso de C., ainda cabem os pedidos de indenização por danos morais e materiais, por prisão ilegal. A decisão da extinção e da soltura foram favoráveis e ele está em liberdade.
 
“Ele foi preso com 20 anos, passou grande parte da juventude preso por um crime contra o patrimônio e agora, caso ele queira, poderá sim pedir indenização, via Defensoria Pública do estado do Ceará”, explica a defensora.
 
Programa - O Defensoria Sem Fronteira está em sua 12ª edição e reúne 90 defensores públicos de todo o país, por 10 dias, no Centro de Eventos de Fortaleza, com o objetivo de avaliar a situação processual de presos, condenados e provisórios. A Defensoria Pública de Mato Grosso (DPE/MT) enviou cinco defensores para o programa, que teve início na segunda-feira (4/6).
 
Jaqueline informa que ficou com os casos de presos condenados e que nos primeiros dias de evento encontrou outro caso grave. “Peguei o caso de um acusado de homicídio, registrado em Macapá, mas preso em Fortaleza. Ele está no presídio há mais de mil dias, aguardando o julgamento no Júri Popular. O Júri já foi marcado duas vezes em Macapá, mas o estado do Ceará não fez a transferência para que ele possa ser julgado. É outro absurdo, o processo concluído para o julgamento no Júri e a pessoa aguardando há três anos”, afirma.
 
Da 12ª edição do programa, além de Jacqueline participam as defensoras públicas Giovanna Santos, que atua na comarca de Rosário Oeste; a defensora que atua em Chapada dos Guimarães, Janaína Yumi Osaki, Gisele Berna de Água Boa e o defensor que atua em Rondonópolis, Fábio Barbosa.
 
O DSF já foi realizado em Minas Gerais, Maranhão, Ceará, Paraná, Amazonas, Roraima, Rio Grande do Norte, duas vezes em Santa Catarina e duas vezes em Pernambuco e, por último, em Rondônia. Os bons resultados alcançados têm sido reconhecidos como política pública dentro do sistema de justiça brasileiro.
 
O defensor público-geral, Silvio Jeferson de Santana, avalia que a iniciativa é um divisor de águas na atuação da Defensoria Pública, em todo o território nacional, que evidencia a importância e a necessidade da união para o desenvolvimento de trabalhos essenciais para a garantia do direito. “A atuação em rede, com um único objetivo, é comprovadamente eficiente como política pública para reverter injustiça contra a população carente do país”.

29 de novembro, às 13h, em Belo Horizonte

Assembleia Geral Extraordinária (AGE)

12 de dezembro, às 10h, na sede da ANADEP

Assembleia Geral Ordinária (Eleição ANADEP)

29 e 30 de novembro, Belo Horizonte - MG

Encontro das Defensoras e Defensores Públicos da Região Sudeste

Facebook Twitter Instagram YouTube Flickr

 

ANADEP - Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos
Setor Bancário Sul, Quadra 02, Lote 10, Bloco J, Ed. Carlton Tower, Sobrelojas 1 e 2 - Asa Sul
CEP: 70.070-120 - Brasília - DF - Brasil
Tel: +55 61 3963-1747 - Fax: +55 61 3039-1763