Instagram Facebook Twitter YouTube Flickr
17/05/2019

RJ: DPE vai à Justiça para garantir atendimento à saúde em São Gonçalo

Fonte: ASCOM/DPE-RJ
Estado: RJ
A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (DPRJ) ingressou com um pedido de liminar para obrigar a prefeitura de São Gonçalo a solucionar uma série de irregularidades identificadas na Unidade Básica de Saúde (UBS) Santa Luzia. O pedido à Justiça foi protocolado nesta quarta-feira (15) – um dia após o Conselho Regional de Medicina (CREMERJ) decretar uma interdição ética no estabelecimento de saúde em razão da falta de condições mínimas para garantir um atendimento seguro à população. Com essa medida, as atividades médicas no local estão suspensas. 
 
Realizado pela Coordenação de Saúde e Tutela Coletiva da DPRJ, o pedido de concessão de tutela de urgência pede à Justiça a concessão de liminar para que a Prefeitura de São Gonçalo resolva os problemas da UBS Santa Luzia em um prazo de até 72 horas. No início de janeiro, o CREMERJ realizou uma vistoria na unidade e constatou irregularidades que vão da falta de estrutura à ausência de insumos básicos para a prestação dos serviços de saúde. 
 
Apesar da notificação à Prefeitura de São Gonçalo, as irregularidades não foram resolvidas. Vistorias realizadas posteriormente verificaram a continuidade de problemas como iluminação insuficiente, presença de moscas e ausência de materiais básicos como luvas, gazes e sabonete líquido. Diante deste quadro, o CREMERJ decretou, na última terça (14), uma interdição ética na unidade de saúde pelo prazo de 15 dias, prorrogáveis por mais 30. Com isso, atendimento médico foi suspenso. 
 
A defensora pública Thaísa Guerreiro, coordenadora de Saúde e Tutela Coletiva da DPRJ destacou a importância da concessão da liminar para compelir a Prefeitura de São Gonçalo a cumprir as exigências do CREMERJ e restabelecer o atendimento na unidade de saúde. Além do pedido de tutela cautelar, a DPRJ recomendou que a população atendida na UBS Santa Luzia fosse redirecionada para outras unidades básicas de saúde a fim de garantir a continuidade do atendimento à população, já que se trata de serviços de saúde essenciais.   
 
"As unidades básicas de saúde são a porta de entrada da população não só para atendimentos básicos de saúde, mas também para consultas e exames de média e alta complexidade. É a atenção básica que vai garantir o acesso da população a todos os serviços de saúde", explicou a defensora.
 
Compartilhar no Facebook Tweet Enviar por e-mail Imprimir
AGENDA
27, 28 e 29 de agosto
Atividades legislativas
28 e 29 de agosto
CONIP 2019
4 de setembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
2 de outubro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
12 de novembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
11 de dezembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
1º de outubro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
10 de dezembro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
12 a 15 de novembro - Rio de Janeiro
XIV Congresso Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (CONADEP)
XIV CONADEP
ANADEP INOVA
Escola Nacional das Defensoras e Defensores Públicos do Brasil
Novas 100 regras de Brasília
COMISSÕES
TEMÁTICAS
NOTAS
TÉCNICAS
Acompanhe o nosso trabalho legislativo
NOTAS
PÚBLICAS
ANADEP
EXPRESS
HISTÓRIAS DE
DEFENSOR (A)